CBN - A rádio que toca notícia

Barganhas, emendas e renegociações de dívidas foram ‘moeda’ para negociar Previdência

Recursos oferecidos aos deputados foram ampliados nas últimas 24 horas e chegam perto de R$ 3 bilhões. Proposta do governo de empenhar verba sem autorização legislativa é ilegal, diz deputado

11/07/19, 13:06

A

aprovação em primeiro turno do texto-base da proposta de reforma da Previdência na Câmara mal foi concluída e já passou a ser chamada de “tratorada”, diante das artimanhas usadas pelo governo e sua base para comprar votos. Além do aumento de emendas no valor total de R$ 2 bilhões para R$ 3 bilhões para os deputados, hoje (10) o Executivo autorizou refinanciamento de dívidas de agricultores – a pedido dos ruralistas. E o ministério da Saúde liberou mais R$ 100 milhões em verbas para o setor em vários municípios.

Até a madrugada desta quarta-feira já tinham sido oferecidas verbas extras do orçamento e desaceleração de empenhos. Tudo disso, diante de avisos pelos governistas de monitoramento sobre quem votaria e quem não votaria com a reforma, num recado claro que só seria contemplado quem estivesse favorável ao texto da proposta.

Os acertos de hoje foram avaliados, também, como uma tentativa de minimizar supostos acordos feitos nos bastidores entre os parlamentares para que a proposta, após aprovada em sua integralidade na Câmara, fique parada no Senado em “compasso de espera” até que as promessas feitas pelo Executivo aos deputados sejam cumpridas.

Um “toma lá, dá cá” como poucas vezes se viu. Mesmo num país cujo Legislativo é acostumado a esses procedimentos. A conta, que por baixo passa de R$ 3 bilhões, conforme cálculos de partidos da oposição como PT e Psol, não está totalmente garantida pelo orçamento. Ou seja: pode ser retirada da verba de outros programas de Saúde e Assistência Social.

Segundo o líder do PT, Paulo Pimenta (RS), uma das alternativas oferecidas pelo governo, a promessa de empenho de emendas sem autorização legislativa, é “irregular e ilegal”. O líder do Psol, Ivan Valente (SP) também criticou a medida e as duas siglas ficaram de entrar na Justiça.

A queixa dos dois líderes diz respeito à promessa de pagamento de um valor extra R$ 1 bilhão, quando na verdade o valor está atrelado a uma emenda no montante de R$ 93 milhões aprovada pela Comissão de Seguridade Social da Câmara cujo valor original era de R$ 2 bilhões.

Essa emenda é destinada ao aumento do custeio de serviços de assistência hospitalar e ambulatorial, mas o volume de recursos, para chegar a esses R$ 2 bilhões, ainda precisa ser aprovado pelo Congresso.

‘Cheque em branco’

“Despesas públicas dependem de autorização expressa do Legislativo. O governo pode executar uma emenda na sua totalidade, mas não pode ultrapassar o valor autorizado pelo Congresso Nacional. O que estão fazendo é passando um cheque em branco para os parlamentares para conseguirem pelo Congresso a liberação destes recursos posteriormente”, afirmou Paulo Pimenta.

“Isso é uma ilegalidade completa e coloca em xeque a votação da Previdência. Isso se chama corrupção”, completou Ivan Valente.

Na conta dos deputados, o acordo feito pelo Palácio do Planalto com as bancadas foi de que cada um deles, que têm direito a R$ 15,4 milhões em emendas individuais pelo Orçamento Geral da União, passaria a receber R$ 4,6 milhões a mais se votasse favoravelmente à proposta. Tudo isso, em emendas para os estados e municípios que compõem suas bases eleitorais.

“A proposta é o “alicerce para a reconstrução do país”, argumentou a líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), quando questionada a respeito, sem saber explicar as contradições de um governo que pregou, durante a campanha eleitoral, que acabaria com o chamado ‘toma lá, dá cá’”.  “Essa proposta foi construída com a ajuda de muitos dos deputados”, ressaltou.

Conforme contaram vários colegas, Joice passou a tarde com planilhas para acompanhar toda a votação dos deputados.  Ela foi rebatida pelo líder da oposição, Alessandro Molon (PSB-RJ), que afirmou em fala no plenário que a proposta vai criar um país mais desigual. “É justo fazer um trabalhador que ganha em torno de R$ 2 mil deixar para o seu viúvo ou viúva menos de um salário mínimo”, perguntou.

O deputado Henrique Fontana (PT-RS) lembrou que os recursos que o Executivo pretende conseguir com a reforma poderiam ser arrecadados de outra maneira, como por meio do aumento de impostos sobre lucros, dividendos e grandes fortunas e com a revisão de incentivos fiscais concedidos. A seu ver, “é possível buscar financiamento suficiente daqueles que podem pagar, sem atacar os mais pobres”.

‘Desrespeito’ ao regimento

Dois momentos tensos da votação da matéria foram observados na madrugada de ontem e na tarde de hoje. Ontem, suscitou discussão entre os parlamentares o questionamento feito pela deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) sobre as regras estabelecidas pelo regimento interno da Casa.

Pouco tempo depois de o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ter defendido o mérito de uma proposta para ser apresentada em outra sessão, a parlamentar criticou o fato de Maia ter tomado tal iniciativa enquanto presidia os trabalhos na mesa diretora. Talvez por esse motivo, ele preferiu deixar a mesa para falar como deputado na tribuna do plenário, ao final da votação.

“Não podemos ser tratorados quanto ao regimento desta Casa. O presidente não pode fazer defesa de mérito sentado na sua cadeira. Diante de uma matéria complexa como esta é importante que tenhamos o direito de levantar questão de ordem e falar com profundidade sobre a matéria. Até porque a propaganda feita pelo governo com o dinheiro público não explica bem para a população o quanto é danosa esta proposta”, afirmou Jandira.

Os oposicionistas também se queixaram de Maia por ter proibido a manifestação por parte da oposição, de faixas e placas. O presidente da casa argumentou que isso é proibido pelas normas regimentais e se defendeu dizendo que está atuando para que sejam seguidas à risca.

À tarde, outra tensão foi observada, mas entre manifestantes e policiais legislativos na entrada do anexo 2 da Câmara. Eles foram impedidos de passar para as galerias e tiveram de se posicionar por trás das grades de isolamento colocadas no local pela segurança do Congresso, mas o protesto foi organizado de forma pacífica.
 
Fonte: JL/RBA
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
16/07/19, 17:01 | ESCÂNDALO - ‘Motivos para Dallagnol ser preso estão dados’, diz deputado
16/07/19, 16:51 | ESCÂNDALO - Dallagnol é escrachado em anúncio sobre 'a luta contra a corrupção'
16/07/19, 16:34 | ESCÂNDALO - Conselho do MPF instaura reclamação disciplinar contra Dallagnol
16/07/19, 14:32 | DECISÃO - Toffoli suspende processos que contém dados sem autorização judicial
16/07/19, 14:27 | ESCÂNDALO - Moro chama novos vazamentos de 'ridículos' e desafia 'Intercept'
16/07/19, 14:23 | TRANSAÇÃO FINANCEIRA - Partido de Bolsonaro apresenta proposta de imposto único
16/07/19, 14:01 | DIREITOS HUMANOS - Mais de 821 milhões de pessoas no mundo passaram fome em 2018
16/07/19, 13:55 | EDUCAÇÃO - Menos da metade dos estudantes aprende sobre segurança na internet
16/07/19, 13:51 | CRIME - Operação prende 11 suspeitos de exploração imobiliária na Muzema
16/07/19, 13:00 | ESCÂNDALO - CNJ recebeu 55 reclamações contra o juiz Sérgio Moro e não fez nada para impedir abusos na Lava Jato
16/07/19, 10:17 | INVESTIGAÇÃO - Procuradoria se manifesta contra abusos de procuradores e juiz na condução da Lava Jato
16/07/19, 09:31 | ALIADOS - Governo analisa indicações para cargos comissionados no Executivo
16/07/19, 09:28 | POLÊMICA - Governo não teme judicialização da reforma da Previdência, diz AGU
16/07/19, 09:20 | MINISTÉRIO PÚBLICO - CRISE: Coordenador da operação Lava-Jato na PGR deixa o cargo
16/07/19, 09:14 | DEPOIMENTO - Ex-diretor da Odebrecht diz ter sido coagido pelo MP a construir relato no caso do sítio de Atibaia
16/07/19, 08:59 | ESCÂNDALO - Deltan cobrou jabá para a família no Beach Park e comemorou com Moro não ser investigado
15/07/19, 20:59 | CORRUPÇÃO - Dallagnol pediu a Moro dinheiro público para financiar propaganda da Operação Lava Jato na Rede Globo
15/07/19, 18:53 | ILEGALIDADES - MPF: combate à corrupção deve respeitar processo legal e liberdade de imprensa
15/07/19, 18:50 | POLÍTICA - Ciro Gomes: ‘Eduardo Bolsonaro é um imbecil, com um português muito ruim’
15/07/19, 17:42 | SAÚDE - Em 2018, mais de 20 milhões de crianças não foram vacinadas no mundo
15/07/19, 17:35 | ILEGALIDADES - Associação Juízes para a Democracia considera Lula preso político
15/07/19, 17:20 | RELATÓRIO - Brasil está voltando ao Mapa da Fome, diz pesquisadora da Abrasco
15/07/19, 17:15 | ESCÂNDALO - Clima contra Deltan Dallagnol se agrava no CNMP
15/07/19, 16:43 | ESCÂNDALO - PF deve forjar prisão de “hacker” que vai “confessar” adulteração de diálogos, diz The Intercept
15/07/19, 13:16 | CORRUPÇÃO - Lava Jato inverteu a lógica do Direito, dizem juízas
15/07/19, 13:13 | DESMONTE - Por falta de orçamento, 43 unidades da Defensoria Pública da União poderão ser fechadas
15/07/19, 12:06 | EDUCAÇÃO - Com bloqueio de verbas, universidades federais cancelam bolsas, suspendem transportes e fecham restaurantes
15/07/19, 10:24 | EDUCAÇÃO - Bolsonaro corta repasses federais para creches, educação básica, alfabetização e ensino técnico
15/07/19, 09:59 | DENÚNCIA - Dallagnol acusou Lula de ocultar triplex, e agora é pego com empresa de palestra em nome da esposa
15/07/19, 09:35 | PESQUISA - Maioria se opõe a plano de Bolsonaro para o trânsito, diz Datafolha
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site