CBN - A rádio que toca notícia

POLÍTICA

Facebook estuda a proibição de anúncios políticos durante a campanha eleitoral de 2020

A interrupção dos anúncios pode sufocar o discurso de alguns grupos, disseram eles, embora permitir a exibição de anúncios políticos também permita mais informações erradas que podem privar os eleitores

12/07/20, 19:58

O
Facebook está considerando proibir a publicidade política em sua rede antes das eleições gerais de novembro, nos Estados Unidos, segundo duas pessoas com conhecimento das discussões, depois de enfrentar intensa pressão por permitir que o discurso de ódio e a desinformação floresçam em todo o site –as famosas fake news, notícias falsas, que também atormentam no Brasil.

No Brasil, que também realizará as eleições municipais em novembro, em decorrência do coronavírus, o impulsionamento pago e a compra de palavras-chaves serão permitidos nas redes sociais.

A decisão ainda não foi finalizada, disseram as pessoas, que falaram sob condição de anonimato porque as discussões eram confidenciais, e a empresa poderia continuar com sua atual política de publicidade política.

As discussões sobre o potencial banimento de anúncios políticos ferveram desde o final do ano passado, disseram eles, enquanto os participantes avaliavam a ideia enquanto procuravam grupos políticos e candidatos à reeleição.

Mas a questão veio à tona nas últimas semanas, com as eleições de novembro se aproximando e à medida que o Facebook lida com o escrutínio intensivo sobre o conteúdo postado em sua plataforma.

O núcleo do debate é se a proibição de anúncios políticos ajudaria ou prejudicaria “dar voz aos usuários”, disseram as pessoas com conhecimento das discussões.

A interrupção dos anúncios pode sufocar o discurso de alguns grupos, disseram eles, embora permitir a exibição de anúncios políticos também permita mais informações erradas que podem privar os eleitores.

Um porta-voz do Facebook se recusou a comentar essa possibilidade de proibição de anúncios políticos. O Bloomberg News relatou anteriormente a possível mudança na política.

Se uma proibição de anúncios políticos acontecesse, seria uma reversão para o Facebook e seu principal executivo, Mark Zuckerberg. A rede social há muito tempo permite que políticos e partidos políticos exibam anúncios em toda a sua rede praticamente desmarcados, mesmo que esses anúncios contenham falsidades ou outras informações erradas.

Zuckerberg disse repetidamente que não iria policiar os anúncios de políticos e afirmou que a empresa não era um árbitro da verdade porque ele acredita na liberdade de expressão. Ele também disse que a remoção de anúncios políticos da rede poderia prejudicar candidatos menores e com menos votos que são menos bem financiados do que políticos de destaque nacional. A publicidade política representa uma quantidade insignificante da receita do Facebook, ele disse, portanto qualquer decisão não se baseará em considerações financeiras.

Mas essa abordagem sem interferência levou a uma intensa reação contra a rede social. Legisladores, grupos de direitos civis e funcionários do Facebook o atacaram por deixar o discurso de ódio e desinformação apodrecer em seu site.

No mês passado, a campanha presidencial de Biden disse que começaria a pedir a seus apoiadores que exigissem que o Facebook reforçasse suas regras contra desinformação. Mais recentemente, anunciantes como Unilever e Coca-Cola pararam sua publicidade na plataforma em protesto.

Isso foi pontuado nesta semana pelo lançamento de uma auditoria de dois anos das políticas do Facebook. A auditoria, realizada por especialistas em direitos civis e advogados escolhidos a dedo pela empresa, concluiu que o Facebook não havia feito o suficiente para proteger as pessoas na plataforma de publicações e anúncios discriminatórios. Eles disseram, em particular, que o Facebook estava muito disposto a deixar os políticos zombarem do site.

“Elevar a liberdade de expressão é uma coisa boa, mas deve se aplicar a todos”, escreveram eles. “Quando isso significa que políticos poderosos não precisam obedecer às mesmas regras que todos os outros, é criada uma hierarquia de discurso que privilegia certas vozes em detrimento de vozes menos poderosas”.

Zuckerberg manteve sua posição de liberdade de expressão, mesmo quando outras empresas de mídia social adotaram mais medidas contra o discurso de ódio e postagens imprecisas de políticos e apoiadores. Recentemente, o Twitter começou a rotular alguns dos tweets do presidente Donald Trump como violência inverídica ou glorificadora, enquanto Snap disse que deixaria de promover a conta de Trump no Snapchat porque seu discurso poderia levar à violência. O Twitch, o site de streaming de videogame, suspendeu completamente a conta de Trump, e o fórum da Internet Reddit proibiu uma comunidade de apoiadores de Trump por assédio.

No ano passado, o Twitter disse que proibiria todos os anúncios políticos porque a disseminação viral da desinformação apresentava desafios ao discurso cívico.

Vanita Gupta, diretora executiva da Conferência de Liderança em Direitos Civis e Humanos, disse que é positivo que o Facebook esteja pensando em suas opções, mas que “o que eles precisam ter é um sistema que realmente capta informações erradas em tempo real”. Ela acrescentou: “A supressão dos eleitores está acontecendo todos os dias, e sua inação terá profundas ramificações nas eleições”.

Na sexta-feira, alguns dos principais grupos democratas externos que gastam mais no Facebook disseram que não discutiram com a empresa nenhuma proibição potencial de anúncios políticos mais próximos da eleição. Um porta-voz do DNC encaminhou perguntas a um tweet de Nellwyn Thomas, diretor de tecnologia do DNC, que escreveu na sexta-feira: “Dissemos isso há sete meses ao @Google e o repetimos novamente ao @Facebook: é proibida a publicidade sem publicidade. não é uma solução real para desinformação na sua plataforma.”

Autoridades democratas argumentaram que proibições gerais ou restrições a anúncios políticos não são uma maneira suficiente de erradicar a desinformação, principalmente porque esse tipo de conteúdo pode se espalhar em grupos fechados do Facebook. A proibição de anúncios também restringe importantes ferramentas digitais nas quais as campanhas contam com atividades como a aquisição de novos doadores e a arrecadação de dinheiro para a votação, disseram eles.

Alguns democratas acrescentaram que a campanha de Trump tem uma vantagem estrutural significativa no Facebook, tendo construído uma comunidade de mais de 28,3 milhões de seguidores. Joseph R. Biden Jr., candidato a presidente democrata, tem apenas cerca de 2,1 milhões de seguidores na rede social. A remoção da capacidade de pagar por anúncios daria a Trump um alcance muito maior online do que Biden, disseram eles.

Um porta-voz da campanha de Trump não respondeu imediatamente aos pedidos de comentário.

O Facebook é de longe a plataforma preferida e mais popular para campanhas. A campanha de Trump gastou mais de US$ 55 milhões no Facebook desde 2018, e a campanha de Biden gastou mais de US$ 25 milhões.

Como será a propaganda da campanha eleitoral no Brasil
O artigo 57-C da Lei nº 9.504/1997, da Lei das Eleições, permite a propaganda nos aplicativos. Neste ano de eleições municipais, por exemplo, será permitido o impulsionamento de conteúdo publicado em plataformas como o Twitter, Facebook e Instagram de maneira paga, sem nenhum tipo de problema, desde que este impulsionamento seja contratado diretamente junto às plataformas de mídias sociais.

A Lei das Eleições ainda também prevê no § 2º do art. 26, a contratação de ferramentas de busca para ter prioridade nos resultados, ou seja, é permitida a compra de palavras-chave nos buscadores (Google Ads, Bing e Yahoo, por exemplo) durante a campanha eleitoral.

Com informações do New York Times

Fonte: JL/Esmael Morais
TODAS AS NOTÍCIAS DO PORTAL
06/08/20, 17:00 | PROGRAMA - Agosto Lilás inicia programação sobre enfrentamento à violência contra a mulher em Teresina
06/08/20, 16:18 | PANDEMIA - Projeção para outubro: Brasil pode chegar a 200 mil mortos por covid
06/08/20, 16:13 | CRIME - Flávio pede troca de promotores na investigação da ‘rachadinha’
06/08/20, 16:07 | POLÍTICA - Bispos farão ato ecumênico virtual contra Bolsonaro no domingo
06/08/20, 07:34 | POLÍTICA - Órgão de arapongagem política no ministério da Justiça foi criado por Moro
06/08/20, 07:26 | DECISÃO - Bolsonaro sofre derrota no STF e indígenas receberão ajuda federal contra a covid-19
06/08/20, 07:18 | POLÍTICA - ELEIÇÕES 2022: Disputa Lula x Bolsonaro fará história
06/08/20, 06:43 | POLÍTICA - Bolsonaro lança ameaça de golpe e instituições se calam, diz Tereza Cruvinel
06/08/20, 06:39 | POLÍTICA - Merval já admite parcialidade de Moro e vê possibilidade de Lula se candidatar em 2022
05/08/20, 16:25 | INFRAESTRUTURA - Prefeito de Teresina se reúne com Rodrigo Maia para tratar de Programa Emergencial para o Transporte Coletivo
05/08/20, 16:19 | POLÍTICA - TSE cancela biometria e cogita divisão por faixa etária para as eleições de novembro
05/08/20, 16:16 | POLÍTICA - Eleições municipais: votação deve ser estendida em pelo menos uma hora
05/08/20, 16:08 | INTERNACIONAL - Governo do Líbano coloca em prisão domiciliar responsáveis por porto de Beirute
05/08/20, 15:38 | CRIME - Justiça decreta sequestro de R$ 11,3 milhões de Geraldo Alckmin e assessores por corrupção
05/08/20, 07:12 | PANDEMIA - Covid-19: 14 capitais apresentam nível de transparência de dados insatisfatório
05/08/20, 07:07 | PANDEMIA - Covid-19: Aplicativo vai identificar pessoas próximas que testaram positivo para a doença
04/08/20, 18:50 | INVESTIGAÇÃO - Lula vence no STF e terá acesso aos documentos da Odebrecht e delação de Palocci não pode ser usada contra ele
04/08/20, 16:31 | PANDEMIA - Cai número de internações no PI por Covid-19 em leitos clínicos, de UTI e estabilização
04/08/20, 15:59 | PANDEMIA - PMT oferece atendimento exclusivo para servidores da rede hospitalar com suspeita de Covid-19
04/08/20, 15:55 | CRIME - Criminalista quer punir fake news com multas pesadas
04/08/20, 15:49 | PANDEMIA - Prefeito de SC “prescreve” ozônio no ânus contra covid19
04/08/20, 14:27 | EDUCAÇÃO - MEC autoriza aulas a distância em escolas técnicas federais de ensino
04/08/20, 06:38 | ESTATÍSTICA - Brasil é o país com mais mortes por mês no mundo por covid no mês de julho
04/08/20, 06:35 | POLÍTICA - Queiroz diz em depoimento que deu 'satisfação' a Flávio Bolsonaro sobre 'rachadinha'
03/08/20, 23:10 | PANDEMIA - Auxílio emergencial pode ser prorrogado até dezembro
03/08/20, 23:01 | PANDEMIA - Conheça a curva de mortes por covid-19 nos 26 Estados e no Distrito Federal
03/08/20, 21:35 | PANDEMIA - Maranhão, do comunista Flávio Dino, aparece com melhor desempenho no combate à Covid-19
03/08/20, 20:25 | PANDEMIA - Prefeito de Teresina mantém suspensão das aulas presenciais por tempo indeterminado
03/08/20, 20:22 | COVID-19 - Metade das mulheres passou a cuidar de alguém na pandemia
03/08/20, 18:51 | PANDEMIA - Governo fala em estender auxílio emergencial, mas com valores diferentes
« Anterior 1 - 30 | 31 - 60 | 61 - 90 | 91 - 120 | 121 - 150 | 151 - 180 | 181 - 210 | 211 - 240 | 241 - 270 | 271 - 300 Próximo »
JORNAL LUZILANDIA - O Futuro Começa Aqui
Copyright 2003 - Todos os direitos reservados
SITE FILIADO À LITIS CONSULT - REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS
CNPJ nº 35.147.883/0001-41 / CCN Comunicação.com Nordeste
Jornalista Renato Araribóia de Britto Bacellar - Homenagem Especial
Luzilândia - Teresina - Piaui - Brasil
CEP:64049-600 - Rua Lemos Cunha, 1544 - Ininga- Teresina-PI
Telefones: (86) 8804.2526 - 8100.6100
jornalluzilandia@hotmail.com | jornalluzilandia@gmail.com
création de site