Segurança, Justiça, Crime e Violência

Polícia portuguesa confirma queixa formal sobre caso racismo contra filhos de Gio Ewbank

A acusada é uma portuguesa branca de 57 anos, identificada como Maria Adélia Coutinho Freire Andrade de Barros

Publicada em 01/08/22 às 17:17h - 3 visualizações

por TERRA


Compartilhe
Compartilhar a notícia Polícia portuguesa confirma queixa formal sobre caso racismo contra filhos de Gio Ewbank  Compartilhar a notícia Polícia portuguesa confirma queixa formal sobre caso racismo contra filhos de Gio Ewbank  Compartilhar a notícia Polícia portuguesa confirma queixa formal sobre caso racismo contra filhos de Gio Ewbank

Link da Notícia:

Polícia portuguesa confirma queixa formal sobre caso racismo contra filhos de Gio Ewbank
 (Foto: Popline)

A polícia portuguesa informou na tarde desta segunda-feira, 1º, que recebeu uma queixa formal sobre o caso de racismo contra os filhos de Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso, episódio registrado no sábado, 30, em um restaurante na Costa da Caparica, em Portugal.

A informação foi noticiada pelo Jornal Hoje, da TV Globo, e confirmada por meio de nota da Guarda Nacional Republicada --uma das polícias de Portugal.

O prazo para que a família abrisse a queixa formal era de seis meses. O caso foi encaminhado para o Tribunal Judicial da região e, a partir de agora, as autoridades portuguesas iniciam uma investigação sobre o caso.

Assine a newsletter Entre NÓS e receba conteúdo gratuito de diversidade. Vem se informar e se emocionar com a gente!

A acusada é uma portuguesa branca de 57 anos, identificada como Maria Adélia Coutinho Freire Andrade de Barros, e pode pegar uma pena de 6 meses a 5 anos de prisão.       

O vídeo, que viralizou na internet, mostra Giovanna revoltada com as falas preconceituosas e enfrentando a mulher, enquanto Bruno chama a polícia. "Racista nojenta", disse Giovanna encarando a moça.

Segundo nota divulgada pela assessoria do casal, a mulher branca que passava em frente ao restaurante, xingou, deliberadamente, não só Títi e Bless, mas também uma família de turistas angolanos que estava no local. 

Maria Adélia, de acordo com o casal, pedia para que eles saíssem do restaurante e voltassem para a África, entre outros xingamentos, como "pretos imundos".

A acusada foi presa após ofender os funcionários da Guarda Nacional Republicana (GNR), mas liberada logo em seguida. A Divisão de Comunicação e Relações Públicas da GNR informou que a mulher estava alcoolizada no momento da detenção.

Em entrevista ao Fantástico, o ator Bruno Gagliasso definiu a reação de Giovanna como um ato de "dor e indignação". "O grito da minha mulher ali foi de dor, mas foi também de indignação", explicou. Segundo o casal, a filha Titi, de 9 anos, ficou assustada com o episódio, enquanto o Bless, de 7 anos, não percebeu o que estava acontecendo.

"A gente estava na praia brincando e, de repente, uma das crianças subiu e falou pra gente o que tinha acontecido. Aí, a gente ficou bem chateado. E começou e vocês viram aquelas imagens", relatou Bruno Gagliasso. "Quando eu tava dentro do restaurante, [ela] começou a xingar as crianças Titi e Bless, né? E também a família de angolanos que estavam no restaurante, que era mais ou menos umas 15 [pessoas]", acrescentou Giovanna.

O ator contou que o gerente do restaurante pediu para a mulher deixar o estabelecimento, mas se recusou a sair e intensificou os ataques e xingamentos. "Ela se negou a ir embora e começou a xingar alto e a gente ouviu", disse a atriz.

"Quando a gente percebeu o que estava acontecendo, o Bruno saiu da mesa e foi até o gerente com a mulher para chamar a polícia. Eu vi que tava uma movimentação estranha, vi que a família de angolanos estava um pouco recuada e comecei a entender que era algo racial", explicou ela, que confirmou ter agredido a mulher. 

Para Gagliasso, Giovanna não agrediu, ela reagiu. "Não confunda a reação do oprimido com a ação do opressor", disse o ator. "Acho que ela nunca esperava que uma mulher branca fosse combatê-la como eu fui, daquela maneira. Eu sei que eu, como mulher branca indo confrontá-la, a minha fala vai ser validada. Eu não vou sair como a louca, a raivosa, como acontece com tantas outras mães pretas que são leoas assim como eu fui nesse episódio, mas que são invalidadas e são taxadas como loucas e está inventando", pontuou Giovanna.

O casal ressaltou a importância da exposição do caso para cobrar igualdade para todos. "Eu sou uma mulher muito consciente dos meus privilégios. Sou uma mulher que sempre estou rodeada de mulheres pretas aprendendo diariamente e vou fazer jus ao nome privilégio branco e vou combater de frente", declarou Ewbank. "Essa briga é nossa. Essa luta é de todo mundo", acrescentou Gagliasso.

Giovanna e Gagliasso adotaram Titi em maio de 2016, após uma viagem ao Malawi. Já Bless foi apresentado pelo casal em 2019 e é do mesmo país da irmã. Além dos filhos Titi e Bless, os atores são pais de Zyan, de 2 anos, que é branco.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:


ÚLTIMAS NOTÍCIAS
11/08/22 - Esporte, Cultura, Arte e Estilo de Vida Isaquias Queiroz garante ouro no Pan-Americano de Canoagem no Canadá
11/08/22 - Brasil, Opinião, Comportamento e Trabalho Confira os vencedores do 21° Grande Prêmio do Cinema Brasileiro






Copyright (c) 2022 - Jornal Luzilandia - A VERDADE DO FATO